quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Sempre que pensar em alguma bobagem contra si mesmo, pense naqueles que sofrerão com sua ausência e que precisam de você. Reflita. O poder em sair do fundo do poço está na capacidade de ver a dor do outro além da sua.


domingo, 10 de setembro de 2017

Virtual ou Real?




Chats, vlogs, blogs, facebook, twitter et coetera. Vivemos e nos satisfazemos com essa vida cibernética.
Quantas vezes é um dia de sol, a lua linda no céu e nos contentamos com a telinha?
Porque fazemos isso?
Os antigos sabiam, pela posição das nuvens, se iria ou não chover. Conheciam as constelações no céu. Até mesmo sabiam que o avião que perpassa suas cabelas estava indo para esse ou aquele aeroporto.
Começamos e terminamos relacionamentos pela internet. Colamos e copiamos textos de outros, sem citar a autoria.
Acreditamos em tudo o que lemos, sejam ou não verdade.
Vivemos num mundo de vozes e imagens distantes fisicamente de nós.
Acreditamos que uma pessoas é de boa índole somente porque ela posta imagens e palavras edificantes.
Precisamos postar desabafos de forma anônima.
Onde iremos chegar com isso? O que estamos fazendo de nós mesmos e com os outros?

quarta-feira, 15 de março de 2017

O problema tem que acabar e você tem que ficar, e não o contrário. Pense nessa estratégia. Isso pode salvar sua vida. Porque o problema, por mais eterno que pareça, passa. Acredite em quem já passou pelo ápice da dor e constatou isso. 

domingo, 5 de março de 2017

Nos momentos de dor extrema, todos achamos que morrer é a solução....não é não. Sabem porquê?

Porque todos nós, seres humanos, temos momentos de extrema dor psíquica. Uma dor dilacerante. E quanto mais nos enclausuramos nela, menos saída achamos que temos. Precisamos, nesses momentos, sair do casulo e pedir ajuda. Esqueça o orgulho. Procure ajuda, de amigos, parentes ou algum conhecido. Procure um psiquiatra, um psicólogo. Não se enclausure. Procure o Centro de Valorização da Vida (CVV), DISCANDO 141 . Vale para todo o Brasil. Atendem em anonimato. Gratuito.

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Vou dizer uma coisa

A dor que sinto agora é insuportável. Vontade de aniquilar a dor, pois ela parece ser maior do que eu. Mas sei que não adianta acabar com a minha vida: eu não posso derrubar uma casa só porque ela está sendo corroída por cupim.